domingo, outubro 02, 2005

A Banda...




Subiu a rua em correria… com o coração aos pulos, completamente arrebatado. No cruzamento com a estrada da igreja, junto à mercearia da D. Estrudeca amontoavam-se as pessoas…e a canalha dançava alegremente por entre as pernas dos crescidos.
A custo foi furando por entre as gentes até encontrar o candeeiro de iluminação que subiu com a ajuda do Ti Jaime… De cabelo desgrenhado pelo vento, acenava para a Banda que passava… e os seus olhos brilhavam…
O tempo parou, e o seu corpo franzino dançava ao som da música tal e qual uma bandeira hasteada. Olhou para a multidão que se perdia em sorrisos… até o Padre Amílcar, conhecido por ser rezingão bailava no adro.
Ficou a vê-los até virarem a rua em direcção ao Rossio… desceu, e imaginou o melhor atalho para lá chegar…

4 comentários:

Anátema Device disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anátema Device disse...

... quando lá chegou ficou maravilhado com a visão. Não era todos os dias que se via um elefante fazer filhós de Natal na companhia de um sargento miliciano acabado de chegar do convento onde, pontualmente, fazia uns serviços à abadessa. Serviços de carpintaria. O miúdo ouvia ao longe o som da banda e nos seus olhos continuava a vadiar a imensidão do futuro. Tudo era possível, bastava encontrar o atalho para lá chegar. Acendeu mais um dos tais e vagueou “direitando e esquerdeando” pela rua. Decidiu fazer tangentes à vida, na esperança de que a secante chegasse sempre um pouco mais tarde. É no que dá ser puto, ouvir bandas pelo Rossio, fumar coisas estranhas e ler uma autora portuguesa que se aprendia no ensino recorrente. O futuro está mesmo ali à frente… o ti Jaime ainda conseguirá plantar amendoins e a D. Estrudeca conseguirá cumprir o sonho de abrir uma loja de venda de flores. Ou isso ou um talho. O puto continuará a ouvir bandas, mesmo quando já não houver coretos na sua vida.

Anónimo disse...

e quando lá chegou, parou... fechou os olhos e permitiu que o seu corpo se tornasse livre ao som da banda que passava, e distribuia os sorrisos, os acenos, e cada vez se tornava mais contagiante...

martelo disse...

o Anátema debaice acho que troca um bocado a coisa...

 

page counters